40 anos depois, Anselmo relembra a agressão em Mário Soto na final da Libertadores 1981.
Final da Copa Libertadores 1981 entre Flamengo e Cobreloa. Foto: Reprodução/Internet.

Em entrevista ao site “UOL Esporte”, o ex-atacante do Flamengo, Anselmo, relembrou a história do soco em Mário Soto na final da Copa Libertadores 1981. O episódio, que aconteceu no Estádio Centenário, em Montevidéu, ficou marcado na história do Rubro-Negro e ainda é assunto mesmo 40 anos depois.

Siga Diário do Fla no Instagram

Na final da Libertadores em 1981, o Flamengo enfrentou o Cobreloa (Chile). Na primeira partida, o Mais Querido venceu por 2 a 1, no Maracanã, com dois gols de Zico. No entanto, o jogo no Chile foi marcado pela violência por parte da equipe adversária. De acordo com os grandes ídolos do Rubro-Negro, o time chileno não tinha muita intenção de jogar futebol e sim agredir. Inclusive, Mário Soto, um dos principais nomes do Cobreloa, chegou a jogar com uma pedra na mão. Dessa forma, eles venceram a partida por 1 a 0. Mas, na época, a Libertadores exigia uma terceira partida em campo neutro para desempatar o placar agregado. Com isso, Flamengo e Cobreloa voltaram a se enfrentar no Uruguai, com vitória por 2 a 0 para o Mais Querido e, novamente, com dois gols de Zico.

Quando a partida já estava praticamente decidida, o treinador Paulo César Carpegiani chamou Anselmo, que estava no banco de reservas. Assim, o jogador entrou no lugar de Nunes com uma finalidade: dar um soco em Mário Soto. Embora, Anselmo ressalte que o Rubro-Negro fez uma partida limpa. Por outro lado, o Cobreloa fazia muito uso dos pontapés e socos.

Siga Diário do Fla no Twitter

“Não senti nada na hora. O ambiente era tão nervoso com os caras dando pisão e pontapé, que era um clima de revolta total. O Paulo me disse: ‘vai e faz’. Só pensei em fazer. Se tivesse pensado em tudo, nem levantava do banco de reservas. Meu comportamento foi o de cumprir. O que aconteceu em Santiago foi anormal, mas eles estavam fazendo tudo de novo em Montevidéu. Não sou a favor do que foi feito. Se você faz isso hoje é eliminado do futebol. Não foi sentimento de vingança, foi revide”, contou Anselmo em entrevista.

Mas, o ex-jogador também revelou que nem conseguiu participar da cerimônia de entrega de medalhas. Isso porque, a polícia o trancou no vestiário.

“A polícia me trancou dentro do vestiário e fiquei sozinho imaginando o que ia acontecer. O medo era bastante, me escondi numa banheira e coloquei umas bolas por cima. Eu estava muito feliz, mas com muito medo. Quando a porta abriu e a galera entrou festejando, aí foi uma alegria só. Eu nem participei da cerimônia de entrega do troféu. Estava trancado. Eu tenho a medalha, mas nem me lembro como ela chegou até mim. A camisa eu não faço ideia de onde foi parar”, concluiu Anselmo.

Curta Diário do Fla no Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui